terça-feira, 3 de agosto de 2010

Consulta dos 18 (19) meses mudança de médico

Para quem ainda não sabe, tomei a decisão de me separar do pai do meu filho há cerca de 3 meses. Claro que não foi uma decisão fácil, principalmente porque já sabia que ao fazê-lo iria voltar à minha terra (Porto) e o meu filho ficaria a uma distância de 300km do pai.

Bom, tomada a decisão, muitas dúvidas se levantaram e muitas foram as mudanças, uma delas a da escolha de um pediatra. Escolhi o chefe de serviço de pediatria do Hospital Sto. António e adorei.

Este horas a conversar comigo, calmo, tranquilo e sem a sensação de me querer por dali para fora. Falámos sobre tudo e também claro da minha separação e do que isso poderia implicar na saúde do Pedro.

Fiquei feliz, deu-me 20valores nas decisões todas que tomei desde que é bebézinho. Falei-lhe da opção do leite de soja e ele esboçou um sorriso de orelha a orelha. Segundo ele o leite de vaca é dos alimentos que mais mal faz. Não a nivel infeccioso, mas a gordura do leite de vaca é grande responsável pela hipertenção, a diabetes e o colesterol elevado. Não sendo fundamentalista disse-me que até aos 2 anos a dar leite de vaca deve ser sempre magro, mas que depois disso nem se justifica o leite.

Coisas a abolir: o biberão :S
O pequeno-almoço que dou ao meu filho é: leite de soja com meia banana, 1 maçã ou outra fruta e um bocadinho de cerelac. Um óptimo pequeno-almoço, segundo ele, mas começar a dar à colher.

À noite ele não bebe o leitinho da meia-noite por isso não tenho de me preocupar com isso.

À noite deixá-lo adormecer sózinho na cama dele. Confesso que nos últimos meses não tenho feito isso, por causa da separação. Ele chorava muito e eu fui-me deixando andar. Mas a "ordem" é que o deixe mesmo que a chorar. Confesso que me deu um nó no estômago, mas sei cá no fundo que é o melhor. Ele explicou assim: durante o dia devemos dar muitos beijinhos e muitoooo colo, à noite devemos deixá-los no seu espaço.

O meu filho diz poucas palavras. O que interessa é que se explique e perceba tudo muito bem, que é o caso. Diz que lá para os 2 anos ele começa a falar pelos cotovelos. E nunca, mas nunca ninguém se dirigir a ele dizendo "tu AINDA" não falas?" etc...é depreciativo e fá-lo sentir fora do "normal". Infelizmente já ouvi coisas deste género mas dei as respostas certas.

Manter o filho o mais possivel em casa, sem ir para a creche. Segundo o próprio, as crianças até aos 3 anos não socializam, não sabem o que é outra criança. A partir dos 3 anos, sim, é muito importante começarem a criar os seus amigos. Creche é um mal necessário, palavras dele. Ter animais em casa é excelente em todos os sentidos.

Ainda falámos demais umas coisas, e depois seguimos para a avaliação fisica. Está óptima, cara gira, genica, saudável, expressivo e risonho :) (embora tenha barafustado muitooooo)
Pequenote (79cm) e magrote. 10,400kg bem destribuídos. Genética, diz ele.

Coloquei a questão da vacina do sarampo, a tal que muitos acreditam ser a grande causadora do autismo. Ele discordou em absoluto dizendo que isso tem sido causa de morte de muitas crianças por pais que optam por não dar a vacina. Já tinha lido sobre isso. Já tinha lido sobre pais que optam por não dar esta vacina e que a criança ganha sarampo, e esta pode ser mortal. Diz que está provadíssimo que não tem qualquer ligação. Continuo sem saber se é verdade ou não. É certo que muitas crianças quando a tomam ficam autistas, se têm genéticamente propensão para isso e se a vacina vem potenciar não sei. Sinceramente prefiro manter-me neutra nesta discussão. Recomendou-me dar a vacina da varicela e da gripe.

E é isto. Vim satisfeita. Confiante com o médico.

4 comentários:

babynha disse...

Ola
ja ha muitos meses que sigo esse blog mas não sou de deixar muitos comentarios no entanto hoje decidi deixar umas palavritas.
Queria dar os parabens pelos mesitos do Pedro e em segundo dizer que realmente foi uma sorte encontrar um pediatra assim que parece tão bom. Quanto a vacina do sarampo eu tambem ja tinha lido sobre o assunto mas o "nosso" pediatra disse que é pior não tomar caso se apanhe o sarampo do que a probabilidade de ter autismo pois não foi ainda comfirmada que haja alguma ligaçao. Por isso acho bem o facto de decidires dar.E pronto... deixo tambem um beijinho e bons posts!
BJS

liliana disse...

Minha querida, uma separação implica sempre mudança!
Já demonstraste várias vezes que és uma grande mulher, muito determinada e com uma força descomunal.
Resta-me desejar-te que tudo corra bem nesta vossa etapa da vossa vida.

O Francisco também diz poucas coisas e se queres que te diga não estou minimamente preocupada com isso.Estou a cagar e a andar para os comentários, mas a verdade é que me cansam quando me perguntam: 'então, já fala?' Fico cega!!! Gostava de ser como tu e dar uma boa resposta, mas eu fervo, sabes? É inevitável...

Beijinhos nossos

Vânia e Mariana disse...

Não fazia ideia da tua separação,mas tenho q certeza que tomaste a decisão certa, para o fazeres é porque tinha mesmo que ser.
O teu pediatra não conheço, mas deve ser bom, e pelo que contas também. É importante confiar no pediatra dos nossos meninos.

beijinhos,

Pó de Arroz! disse...

A melhor maneira de criarmos os nossos filhos, não tenho a menor dúvida, é seguirmos o nosso coração. Pois cada criança é única! É tão bom ser Mãe! E força, segue em frente! Beijos enormes!